quinta-feira, 24 de dezembro de 2015

HUMILDE EXALTADO

Pr. Cleber Montes Moreira


Há quem tenha mesa farta no Natal,
E há quem não tenha um prato especial.
Há também gente faminta,
Sem lar nem pão,
Sem roupas bonitas,
Sem esperança,
Sem sorrisos,
Sem brilho nos olhos,
Sem luz na vida...

Por isso Jesus se fez pobre,
E numa manjedoura foi colocado:
Entre humanos Deus veio ao mundo,
Para na pobreza manifestar riqueza,
Para do faminto ser da Vida o Pão,
Para ao sedento oferecer Água Viva,
Para o sem rumo ser o Caminho,
E, ao perdido conceder Salvação.

Sua vida Ele entregou,
Em sua glória se humilhou
Sem pecados, o nosso fardo carregou
Para na cruz morrer por quem o rejeitou.

A morte Ele venceu,
A tumba fria deixou ao terceiro dia,
Aquele que se humilhou foi exaltado:
Na manhã esplendorosa, em glória luzia
O rosto glorioso do Salvador
E eterno Senhor.

Na sua morte, morremos
Na sua ressurreição, ressurgimos
Naquele que vive, ganhamos vida
E, na esperança de sua vinda, cremos:

Tal como Ele é, nós seremos.

O NATAL DO CRENTE

Pr. Cleber Montes Moreira


O natal do crente é natal diferente.
Não tem Papai Noel, gnomos, nem duendes,
Não tem renas, nem trenó pra levar presentes
Só para as crianças obedientes.

O natal do crente celebra a Jesus,
O “Deus conosco” que se fez carne vivente
Que morreu na cruz, pra salvar eternamente
E ser caminho que ao Pai conduz.

O natal do crente é natal diferente.
Podemos sim trocar presentes,
Mas de todos o maior, certamente,
É ter Cristo sempre na vida da gente.

No natal do crente, a luz é Cristo,
A nossa Estrela da Manhã.
Luz que resplandece nas trevas, venturosa
Que brilha intensa e fulgurosa,
Luz da vida, Luz dos homens
Que a todos ilumina.

O natal do crente é natal diferente:
Natal da alegria perene,
Da Paz que excede todo o saber,
Da Esperança viva,
Da fé ativa que o mundo vence,
Da Vida que não pode morrer.


FIDELIDADE INABALÁVEL

“Porque os montes se retirarão, e os outeiros serão abalados; porém a minha benignidade não se apartará de ti, e a aliança da minha paz não mudará, diz o Senhor que se compadece de ti.” (Isaías 54:10)


Pr. Cleber Montes Moreira


Ao chegarmos ao final de mais um ano e fazermos uma retrospectiva, muitas ocorrências indesejáveis virão às nossas mentes: Catástrofes naturais como terremotos, furacões, ondas de calor, enchentes, estiagens prolongadas etc. Tragédias provocadas pelo homem, como rompimento de barragens, desmoronamento de construções, derramamento de petróleo nos oceanos e tantas outras. Também a corrupção, a crise econômica, crises políticas, crises institucionais, desemprego... Em decorrência de tudo isso, quantas expectativas frustradas? Para muitos o ano foi perdido. E, para nós, crentes em Cristo, que avaliação podemos fazer?

Uma conhecida publicou numa rede social a seguinte frase: “O mundo está em Crise, eu estou em Cristo.” É fato inegável que as crises nos afetam. Quem não pagou mais caro pelo pãozinho, pela energia e por tantos outros bens, serviços e itens indispensáveis? Quantos sonhos não foram adiados por causa da elevação do custo de vida? Quantos precisaram e não puderam contar com a saúde pública? E a violência? E a falência do ensino? Inegavelmente, todos fomos afetados! Até a obra missionária foi prejudicada pelo aumento do dólar. Entretanto, Deus permaneceu fiel. Os montes foram sacudidos, as colinas removidas, alicerces tremeram, a confusão se estabeleceu ao redor, porém a fidelidade divina não foi abalada, e o Deus de compaixão renovou com seu povo a sua aliança de paz. É por isso que quem está em Cristo tem, literalmente, paz em meio a tempestade. Paz em lugar de desespero. Paz que o mundo não compreende.

O que virá no ano que se aproxima? Não sabemos. Porém, podemos ter uma certeza: “Deus é o nosso refúgio e fortaleza, socorro bem presente na angústia. Portanto não temeremos, ainda que a terra se mude, e ainda que os montes se transportem para o meio dos mares. Ainda que as águas rujam e se perturbem, ainda que os montes se abalem pela sua braveza” (Salmos 46:1-3). Ainda que o caos se estabeleça, nossa confiança deve estar naquele que não falha, cuja fidelidade é inabalável, e cuja paz nos tranquiliza.

O mundo está em crise, e você?


Feliz Natal! Feliz ano novo!

DEUS CONOSCO

“Eis que a virgem conceberá e dará à luz um filho, o qual será chamado EMANUEL, que traduzido é: Deus conosco.” (Mateus 1:23 – ARIB)


Pr. Cleber Montes Moreira


O Profeta Isaías nos apresenta alguns nomes pelos quais o menino Jesus seria chamado: “Porque um menino nos nasceu, um filho se nos deu, e o principado está sobre os seus ombros, e se chamará o seu nome: Maravilhoso, Conselheiro, Deus Forte, Pai da Eternidade, Príncipe da Paz” (Isaías 9:6). Voltando um pouco no livro que leva o nome do profeta, encontramos ainda: “Portanto o mesmo Senhor vos dará um sinal: Eis que a virgem conceberá, e dará à luz um filho, e chamará o seu nome Emanuel” (Isaías 7:14). Há ainda, em toda a Bíblia, outros nomes atribuídos ao Salvador, todos eles lindos, importantes, e com significados relevantes. Entretanto, se fosse escolher um nome como o meu preferido, este seria “EMANUEL”. A escolha é pelo seu significado: “Deus conosco.”

O desejo do Pai celeste é relacionar-se intimamente com os homens. Para isso fomos criados, para vivermos em comunhão com Ele, objetivo este frustrado por causa do pecado, que impôs uma barreira entre Criador e criatura (Isaías 59:2). Porque pecamos, desprovidos estamos da glória e da vida com Ele (Romanos 3:23).

A vinda de Cristo ao mundo é para reconciliar os homens com Deus, por isso Ele se fez o “Deus conosco”, como descreveu João: “E o Verbo se fez carne, e habitou entre nós, e vimos a sua glória, como a glória do unigênito do Pai, cheio de graça e de verdade” (João 1:14). A palavra usada por João, traduzida por “habitou”, tem o sentido de “tabernaculou”. Assim, a mensagem do texto é a de que Cristo, sendo Deus, se fez carne e tabernaculou conosco. O significado de tabernacular está explícito em Levítico 26:11,12, que diz: “E porei o meu tabernáculo no meio de vós, e a minha alma de vós não se enfadará. E andarei no meio de vós, e eu vos serei por Deus, e vós me sereis por povo.” Emanuel quer dizer exatamente isso: Deus conosco – Deus que está entre nós!

Nosso Deus não é Deus distante, insensível, indiferente, mas Deus que busca atrair os homens para Si, para um relacionamento vivo e pessoal com Ele. Por isso o Verbo se fez carne, para estar conosco, para reconciliar-nos com Deus. E, a promessa feita em João 14:1-3 aponta para uma realidade futura, quando Deus tabernaculará com seu povo para sempre, cumprindo, assim, Seu desejo expresso no texto de Levítico, citado anteriormente: “E ouvi uma grande voz do céu, que dizia: Eis aqui o tabernáculo de Deus com os homens, pois com eles habitará, e eles serão o seu povo, e o mesmo Deus estará com eles, e será o seu Deus” (Apocalipse 21:3).

A mensagem do nascimento de Jesus é, portanto, a de que o Eterno, por meio de Cristo, veio ao mundo para nos reconciliar com Ele, para ser o nosso Deus e fazer de nós o seu povo.

O “Deus conosco” é realidade para aqueles que aceitam a Boa Nova de Salvação, e declaram a Cristo como Senhor e Salvador. Você já fez isso? Já aceitou entrar para a comunhão com o EMANUEL? Pense nisso!

MEUS SONHOS OU A VONTADE DE DEUS?

“Por isso não sejais insensatos, mas entendei qual seja a vontade do Senhor.” (Efésios 5:17)


Pr. Cleber Montes Moreira


Há um deus adorado por alguns evangélicos que está cada vez mais em evidência, um deus que realiza sonhos, e que está sempre a serviço do homem. Confesso que já estou cansado de certas frases compartilhadas em redes sociais, tais como: “Deus dá vida aos nossos sonhos”; “Sonhar é humano, mas realizar os seus sonhos é obra de Deus”; “Sonhe, os sonhos alimentam nossa fé”; “Pela fé verei meus sonhos realizados por Deus”; “Deus realiza sonhos”; “Deus não engaveta seus sonhos, e na hora certa Ele te surpreende dizendo: O tempo chegou.” Há uma canção gospel cuja letra diz:

“Deus vai fazer o que você sonhar (…)
Deus vai realizar os teus sonhos
Mesmo em tempo de seca
Muita chuva terá
Você agora está no deserto
Mas eu sei que está perto
Da tua benção chegar (…)"


A maioria, quando diz “Os sonhos de Deus jamais serão frustrados”, está, na verdade, pensando em seus sonhos e não na vontade divina. Criador e criatura inverteram seus papéis: O homem sonha, e Deus realiza. O homem decreta, e Deus faz acontecer. O homem ordena, e Deus obedece. O homem é deus, e Deus é servo. Desculpem, mas este não é o deus da Bíblia, embora seja o deus de muita gente que se diz cristã.

Que tal uma mudança de foco? Que tal a vontade de Deus como prioridade? Que tal submetermos todos os nossos sonhos, anseios, ideais e planos àquele que sabe o que é melhor, com o objetivo de sermos seus instrumentos para a realização de Sua vontade?

Quem prioriza seus sonhos, pensa como o mundo e não tem a mente de Cristo. Quem se conforma ao padrão secular, não pode experimentar a “boa, agradável, e perfeita vontade de Deus” (Romanos 12:2), pois seu entendimento está entenebrecido. Mais que isso, quem prioriza seus sonhos e despreza a vontade de Deus não tem parte com o Senhor, pois Ele mesmo disse: “Porquanto, qualquer que fizer a vontade de Deus, esse é meu irmão, e minha irmã, e minha mãe” (Marcos 3:35).

Deus não é Deus de sonhos. A Bíblia não fala dos “sonhos de Deus”, mas de Sua vontade e realizações. Quem dirige a história não precisa sonhar. Cabe ao homem desejar serví-lo e submeter-se à Sua vontade, como instrumento. Aprendamos com Jesus: “A minha comida é fazer a vontade daquele que me enviou, e realizar a sua obra” (João 4:34). Do contrário, “Certo é que Deus não ouvirá a vaidade, nem atentará para ela o Todo-Poderoso” (Jó 35:13). Pense nisso!


OBS.: Se discordar, ao refutar, use a Bíblia.