sexta-feira, 16 de outubro de 2015

DUAS COISAS A EVITAR


Pr. Cleber Montes Moreira

“Portanto nós também, pois que estamos rodeados de uma tão grande nuvem de testemunhas, deixemos todo o embaraço, e o pecado que tão de perto nos rodeia, e corramos com paciência a carreira que nos está proposta.” (Hebreus 12:1)

Você já viu, ainda que pela TV, alguma corrida de obstáculos? Podemos dizer que a fé é também “uma corrida de obstáculos”. O texto nos fala de, pelo menos, dois tipos de obstáculos que devemos vencer, se quisermos manter o foco no alvo e prosseguir na carreira cristã: o “embaraço” e o “pecado que tão de perto nos rodeia”. Imagino que esta foi a fórmula dos heróis da fé, cujos nomes estão relacionados em Hebreus 11, e aqui, no capítulo 12, aparecem como sendo “uma tão grande nuvem de testemunhas”. Eles não se embaraçaram, não deram lugar ao pecado, mas venceram os percalços, compreendendo que deveriam alcançar o seu objetivo. Foram servos obedientes, determinados, corajosos, que não cederam à tentação, não se acovardaram diante das perseguições, nem desistiram de seu chamado. Muitos morreram por causa de sua fidelidade a Deus.

Embaraço significa “qualquer fato ou coisa que dificulta ou impede; dificuldade, complicação, atrapalhação”. Quando penso em embaraço lembro-me do que são as redes para os peixes. Elas impedem sua jornada, os aprisiona e os leva para a morte. O diabo está diariamente lançando suas redes, com o mesmo propósito. A Bíblia, porém, nos exorta: “Ninguém que milita se embaraça com negócios desta vida, a fim de agradar àquele que o alistou para a guerra” (2 Timóteo 2:4). Os “negócios” desta vida têm sido o maior embaraço à realização da Obra de Deus: o trabalho secular, as carreiras profissionais, a ambição pelo dinheiro, pelo conforto e tantas outras coisas impedem que pessoas militem com diligência. Gente assim se esquece do que disse Jesus: “Pois que aproveita ao homem ganhar o mundo inteiro, se perder a sua alma? Ou que dará o homem em recompensa da sua alma?” (Mateus 16:26).

Devemos também evitar “o pecado que tão de perto nos rodeia”. Lembro que a ideia principal sobre pecado, conforme a teologia, é “errar o alvo”. Assim, todas as vezes que você deixa de olhar para Cristo, está pecando. Tudo o que desvia sua atenção do foco principal, te faz pecar. Toda ocupação que te impede, toda preocupação desnecessária, os cuidados demasiados com a própria vida te fazem pecar. Estas coisas são tão comuns que podemos dizer que “nos rodeiam”.

Como está seu desempenho na corrida da fé? Tem se atrapalhado com os obstáculos, ou tem prosseguido com sucesso? Seus olhos continuam fitos em Jesus? Pense nisso!

O ALVO PERFEITO

OLHANDO PARA JESUS, autor e consumador da fé, o qual, pelo gozo que lhe estava proposto, suportou a cruz, desprezando a afronta, e assentou-se à destra do trono de Deus.” (Hebreus 12:2 – destaque do autor)



Pr. Cleber Montes Moreira



“Olhando para Jesus” indica o “ponto” onde devemos focar nosso olhar. Ele é a referência que norteia a vida rumo ao sucesso na jornada cristã. Olhar para outro alvo é caminhar rumo ao fracasso. Muitos erram, porque se distanciam da vontade de Deus, porque fixam o olhar noutra direção, noutro “objetivo” que não o Salvador. É bom lembrar que “pecado é errar o alvo”, ou “atingir o alvo errado”.


Há quem prefira olhar para si: suas opiniões, suas preocupações, seus anseios, seus ideais, seus prazeres e alegrias estão centrados em seu “eu” e não na pessoa de Cristo. Isso é idolatria, pois que o “eu” passa a ocupar o lugar de honra que deveria ser exclusivo do Senhor Jesus. Enquanto as nossas preocupações estiverem relacionadas a nós mesmos, estaremos desprovidos da fé real, que agrada a Deus, e nosso alvo não será Cristo, mas sim nossa própria vontade da qual nos ocuparemos, e a qual direcionará nossas vidas para nosso próprio caminho. Garanto que isso não traz felicidade, mas decepções e tristezas, além dos prejuízos eternos que acarreta.


Há outros que passam a vida olhando ao redor, para outras pessoas, pautando seu viver pela opinião dos outros, talvez para que sejam “aceitos” pela sociedade. Isso é buscar um viver de aparências. Alguma vez você já deixou de olhar para Cristo porque se distraiu olhando para outras pessoas, para suas vidas, suas opiniões e seus comportamentos? Devemos buscar a aceitação de Deus, e não das pessoas. É a vontade divina que deve nos direcionar e impulsionar nossas ações, não as pessoas, nem o mundo.


Há um pensamento, cuja autoria desconheço, que diz: “A derrota vem de olhar para trás. A distração vem de olhar em volta. O desânimo vem de olhar para baixo. A libertação vem de olhar para cima.” Certamente que Cristo é a única referência para um viver de santidade, de obediência a Deus, de vida produtiva, frutífera e vitoriosa que devemos ter. Todos os “heróis da fé” olharam para o alto, para Aquele “em quem não há mudança nem sombra de variação” (Tiago 1:17), para Aquele que é “o mesmo, ontem, e hoje, e eternamente” (Hebreus 13:8), para o Alvo Perfeito e não para um alvo “móvel”.


Eu já escolhi para onde olhar: meu alvo é Jesus. E o seu?

quinta-feira, 8 de outubro de 2015

A PALAVRA VIVA

“No princípio era a Palavra, e a Palavra estava com Deus, e a Palavra era Deus.” (João 1:1 – BKJA)


Pr. Cleber Montes Moreira


A Palavra de Deus é viva! Por ela o mundo foi criado. Por ela o pecador arrependido é regenerado. Por ela pessoas reviveram. Por ela os salvos ressuscitarão. Ela desvenda quem fomos, o que somos e o que seremos na eternidade com Cristo. Ela revela como será o futuro dos salvos e, também, dos perdidos. Por ela o crente é santificado. Nenhuma outra palavra tem tal poder e eficácia. Contra a Palavra nenhuma palavra pode, pois a Palavra é a Verdade imutável, infalível e eterna, contra a qual nenhum poder prevalece. A Palavra é Deus, e Deus se tornou homem e viveu entre nós. Jesus é a Palavra! A Palavra se fez carne; se fez como nós.

Muitos seguiam a Jesus por causa de seus feitos, por causa dos pães e peixes multiplicados, mas os discípulos reconheceram-no como a Palavra doadora da Vida, como disse Pedro: “Senhor, para quem iremos nós? Tu tens as palavras da vida eterna?” (João 6:68). No Sinai Moisés “recebeu palavras vivas, a fim de nos serem transmitidas” (Atos 7:38 - BKJA). Nós, porém, recebemos a Palavra Viva. Jesus é a Palavra, e suas palavras produzem vida. Jesus é a própria vida. Sem a Palavra nada existiria; ninguém teria vindo à vida, e a vida eterna não seria anunciada.

Quem segue a Palavra não anda em trevas, mas na Luz da Vida. A Palavra desfaz todo engano. Quem nela crê não permanece no entenebrecimento, e nunca será confundido. “E conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará” (João 8:32), “E nós temos crido e conhecido que tu és o Cristo, o Filho do Deus vivente” (João 6:69). Pela fé na Palavra fomos libertos, recriados para sermos semelhantes a Cristo, e selados para a vida eterna. De palavra em palavra conhecemos mais a Deus, somos por Ele trabalhados, aperfeiçoados, para que atinjamos o alvo proposto (Efésios 4:13).

Que outra palavra há como a Palavra? Que outra palavra pode transportar das trevas para a maravilhosa Luz? Que outra palavra pode reconciliar Criador e criatura? Que outra palavra pode produzir tamanho perdão e salvação? Que outra palavra revela tanta graça? Que outra palavra pode mudar mentes e corações? Que outra palavra pode ser Pão da Vida? Que outra palavra é fonte que jorra para a vida eterna? (João 4:14). Que outra palavra há que oriente, alivie, conforte, revigore e sacie a alma? Que outra palavra há que regenere? Em que outra palavra podemos ter tão viva esperança? Que outra palavra se fez homem, para levar o homem a Deus? Não! Outra não há! A Palavra é única! Todo ensino fora da Palavra é heresia. Toda palavra fora da Palavra é mentira, e não subsistirá para sempre. Todo caminho fora da Palavra é caminho de morte. Quem não é pela Palavra é contra a Palavra. A Palavra é Deus, e Deus é a Palavra encarnada por meio de Jesus Cristo. Quem conhece a Cristo, conhece a Palavra; quem conhece a Palavra, conhece a Cristo.

sábado, 25 de abril de 2015

EVANGELHO ABRACADABRISTA

Pr. Cleber Montes Moreira


Há pessoas que quando querem emagrecer, optam por dietas, remédios e até cirurgias para conseguirem seu intento. Mas, um pastor de Cariacica, na Grande Vitória, virou notícia em vários jornais por causa da promessa de "emagrecimento instantâneo", que ficou conhecido popularmente por "lipoaspiração divina". Disse o religioso, em entrevista a um jornal: “Alguns estão acima do peso por problemas na tireoide e hipófise, mas já escutei o testemunho de fiéis que sentem como se tivessem passado por uma cirurgia e ficam até com cicatriz. Deus foi o cirurgião". Segundo ele, os fiéis que recebem a oração sentem como se ficassem anestesiados, entram em sono profundo, e, quando acordam, já estão mais magros.

Quando tomo conhecimento de episódios como este, seja pelos jornais, pela TV ou outras fontes, logo penso numa palavra: ABRACADABRA! Minha conclusão é que muita gente é iludida por um evangelho abracadabrista.

Segundo o Dicionário Priberam da Língua Portuguesa, “abracadabra” significa: “1. Palavra cabalística a que se atribuía a virtude de curar moléstias. 2. Amuleto com essa palavra inscrita. 3. [Figurado] Crença supersticiosa no poder dessa palavra. 4. Fórmula pronunciada geralmente na crença de que invoca poderes mágicos ou sobrenaturais. 5. Palavra ou expressão que não se percebe.” Conforme o Dicionário Web: “Palavra mágica, a que os antigos atribuíam a virtude de curar moléstias várias, e cujas letras deviam ser escritas em triângulo, de modo que pudesse ser lida de todos os lados.” Hoje, é uma palavra à qual se atribuem poderes mágicos. É bastante usada como palavra de encantamento por mágicos, ilusionistas, encantadores, feiticeiros etc. Provavelmente você já a tenha encontrado num livro, escutado num filme ou desenho animado e, talvez, a proferido durante alguma brincadeira de criança. Já "abracadabrista" diz respeito a “que ou pessoa que pratica abracadabra”.

O evangelho abracadabrista é cheio de magia e encantamentos: “Abracadabra”, e o doente é curado; “Abracadabra”, e a vitória é decretada; “Abracadabra”, e o espírito mal é amarrado; “Abracadabra”, e o sonho é interpretado; “Abracadabra”, e uma nova “profecia” é revelada… “Abracadabra” para emagrecer; “Abracadabra” para deixar de fumar; “Abracadabra” para prosperar; “Abracadabra” para arranjar marido”, “Abracadabra” para trazer o amor de volta em sete dias etc. O que muda, infelizmente, é a palavra de ordem para que a magia ou milagre se realize: O nome santo de nosso Senhor Jesus! Sim, o nome precioso de Cristo tem sido vilipendiado por aqueles que o tomam indevidamente. “Em nome de Jesus” é a frase predileta de bruxos, disfarçados de “homens de Deus”, que estão por aí enganando gente incauta. Não é sem motivo que o próprio Cristo tenha dito: “Acautelai-vos, porém, dos falsos profetas, que vêm até vós vestidos como ovelhas, mas, interiormente, são lobos devoradores” (Mateus 7:15). E, ainda: “E surgirão muitos falsos profetas, e enganarão a muitos” (Mateus 24:11). Eles não são enviados de Deus, embora profetizem falsamente em seu nome (Jeremias 27:15). Eles não merecem crédito, mas desprezo!

Não se iluda, caro leitor, o verdadeiro evangelho não é mágica nem encantamento, mas o poder de Deus para a salvação (Romanos 1:16). Não consiste em instrumento para a realização da vontade humana, mas na Palavra Viva e transformadora de vidas que se rendem a Cristo. O engano escraviza, mas a Verdade liberta. Pense nisso!

sábado, 7 de março de 2015

"EITA MULHERÃO"

Pr. Cleber Montes Moreira


“O seu valor muito excede ao de rubis.” (Provérbios 31:10)



Certo jovem, ao ver passar uma mulher linda e atraente, soltou o grito: “Eita mulherão!” Obviamente que se referia ao corpo escultural, à forma e não à essência, à beleza física e não ao caráter. Mulherão é sinônimo de seios fartos, de lábios carnudos, de glúteos volumosos, pernas torneadas etc. O padrão é o das dançarinas dos programas de palco, das que aparecem nas capas de revistas e, até das que se oferecem em anúncios como “acompanhantes”. Neste sentido, mulherão é a concepção formada por uma mente doentia, sensualista, desconectada de valores mais elevados, é a interpretação vulgar do que significa ser mulher.


Na Bíblia temos vários exemplos de mulheres que merecem admiração, valorozas, exemplares, mulheres de fé, verdadeiras servas. Cada uma pode ser considerada, verdadeiramente, um mulherão: DÉBORA, escolhida para ser juíza. Certa SUNAMITA, que pediu ao marido que construísse um quarto a mais em sua casa para hospedar o profeta Elizeu. ESTER, que se tornou rainha e foi instrumento divino para salvar seu povo da destruição. RUTE, nora de NOEMI, era mulher honesta e trabalhadora. ANA, mulher de oração, mãe do profeta Samuel. ABIGAIL, “mulher de bom entendimento e formosa”, que livrou sua família (1 Samuel 25:3). A anônima VIÚVA POBRE, cuja liberalidade tornou-se exemplo a ser seguido. MARIA DE BETÂNIA, que encontrou tempo para ouvir o Mestre, deixando, por algum momento, seus afazeres. A SAMARITANA, pecadora arrependida que se tornou missionária entre o seu povo. MARIA, mãe de Jesus, que ao invés de exaltar-se reconheceu sua condição de serva (Lucas 1:48). DORCAS, discípula cheia de “boas obras” (Atos 9:36). LÍDIA, que abriu sua casa para a pregação do evangelho. LÓIDE e EUNICE, que ensinaram ao jovem Timóteo os valores da “fé não fingida” (2 Timóteo 1:5). Tantas outras aparecem, nas Sagradas Escrituras, como verdadeiras heroínas. Cada uma delas pode ser considerada, literalmente, um mulherão!


Mulherão é a mãe, a filha, a esposa, a amiga, a companheira, a mulher íntegra, a trabalhadora, a que cuida com zelo de sua família, a que em seu lar cultiva os valores cristãos, a que é exemplo de fé e obediência a Deus. Qualquer outra concepção do que seja um “mulherão” será fruto de devaneio.

sábado, 28 de fevereiro de 2015

MAIS UMA UNÇÃO


“O meu povo está sendo destruído, porque lhe falta o conhecimento.” (Oséias 4:6)

Pr. Cleber Montes Moreira

Eis que surge mais uma novidade nos arraiais gospel: A Unção das Camisinhas: Calma, você não enlouqueceu, nem eu! Um grupo de “evangélicos” publicou, no dia 16 de fevereiro de 2015, um vídeo em que aparece em “ação evangelística” distribuindo “preservativos ungidos” nas baladas. Como se não bastasse as diversas “unções” do Circo Gospel, agora temos também a “Unção das Camisinhas.” Baseando-se numa leitura equivocada de 1 Cotíntios 1:27, a de que Deus usa as coisas loucas para confundir os sábios, o grupo afirma que a pessoa que usar a camisinha ungida perderá o desejo sexual naquele momento.
Tente imaginar um grupo de pessoas orando, impondo as mãos e derramando azeite, em nome do Senhor Jesus, sobre preservativos que “inibirão” o libido dos baladeiros. Está aí mais um espetáculo apreciado pelo diabo!
As heresias surgem, normalmente, por falta de conhecimento da Palavra de Deus. Quem não lê, ou lê pouco e não estuda, ou recorre apenas a textos isolados das Escrituras, corre o risco de enganar-se ou ser enganado facilmente. O que Jesus disse serve muito bem para os dias atuais: “Errais, não conhecendo as Escrituras, nem o poder de Deus” (Mateus 22:29). Aqui está o motivo de tantos erros e heresias que surgem por aí: falta de Bíblia! Onde a luz não chega, as trevas reinam!

domingo, 15 de fevereiro de 2015

CARNAVAL: ESTAMOS NO MUNDO, MAS O MUNDO NÃO ESTÁ EM NÓS!


3- Entre vocês não deve haver nem sequer menção de imoralidade sexual nem de qualquer espécie de impureza nem de cobiça; pois estas coisas não são próprias para os santos. 4- Não haja obscenidade nem conversas tolas nem gracejos imorais, que são inconvenientes, mas, ao invés disso, ação de graças. 5- Porque vocês podem estar certos disto: nenhum imoral nem impuro nem ganancioso, que é idólatra, tem herança no Reino de Cristo e de Deus. 6- Ninguém os engane com palavras tolas, pois é por causa dessas coisas que a ira de Deus vem sobre os que vivem na desobediência. 7- Portanto, não participem com eles dessas coisas. (Efésios 5:3-7 – NVI)



Pr. Cleber Montes Moreira


A festa da carne está chegando. Mais uma vez milhões de pessoas estarão nas ruas, buscando uma alegria passageira para satisfazer seus desejos carnais. A programação da TV dará destaque especial à maior festa brasileira. Como nos anos anteriores, em 2015 os governos apoiarão eventos, distribuirão camisinhas e pílulas do dia seguinte, promoverão o turismo (sexual também), além de outras medidas de incentivo. Só para ter uma ideia, o governo do Espírito Santo pretende distribuir 1,2 milhão de preservativos, o governo da Paraíba 2 milhões, o governo do Piauí 4 milhões. Em todo o Brasil serão distribuídas 70 milhões de camisinhas. Apenas na Bahia serão gastos R$ 87,9 milhões na realização do carnaval. Bebida, danças, sexo e, como consequência, aumento da violência, acidentes automobilísticos, gravidez indesejada, abortos, contágio por doenças sexualmente transmissíveis, infidelidade conjugal, divórcios etc. Em lugar da alegria de alguns dias, tristeza e sofrimento. Algumas marcas ficarão para sempre, seja no corpo ou na mente. Pior que os governos referem-se aos gastos com o carnaval como “investimentos.”


O vale tudo pelo prazer carnal tem consequências trágicas. Há uma versão da Bíblia que diz que “a aspiração da carne é a morte” (Romanos 8:6). Sim, os desejos naturais, a “inclinação da carne”, leva à morte. Não se trata apenas de morte física, mas também de morte espiritual e morte eterna. A Palavra de Deus é clara: “Quem semeia para a sua carne, da carne colherá destruição...” (Gálatas 6:8 – NVI).


“Os que estão na carne não podem agradar a Deus” (Romanos 8:8), portanto, as orientações de Paulo aos Efésios 5:3-7 são preciosíssimas: que não haja entre nós “sequer menção de imoralidade sexual”; nem impurezas, nem cobiças, nem obscenidades, nem conversas tolas, nem piadas imorais, “pois estas coisas não são próprias para os santos.” Quanto àqueles que celebram a carne, o conselho é: “Portanto, não participem com eles dessas coisas”; “Porque os que são segundo a carne inclinam-se para as coisas da carne; mas os que são segundo o Espírito para as coisas do Espírito” (Romanos 8:5).

Enquanto o mundo celebra a carne, o cristão deve celebrar a vida em Deus. O mundo é dominado pelo príncipe das trevas, mas nós que cremos em Cristo pertencemos ao Reino de Deus no qual o pecado não pode habitar. Nos próximos dias seremos confrontados. Alguém disse que cada tentação é um desafio à santidade. Seja fiel sempre! Seja luz em meio às trevas! Lembre-se: ainda estamos no mundo, mas o mundo não está em nós!

sábado, 24 de janeiro de 2015

MARCIANO NÃO É DESTE MUNDO


“Não são do mundo, como eu do mundo não sou.” (João 17:16)

Pr. Cleber Montes Moreira

Certa feita, o irmão Luis Carlos de Moraes, da Primeira Igreja Batista de Itaperuna, convidou-me para uma visita evangelística a um senhor chamado Marciano. Quando lá chegamos, logo iniciei a apresentação do plano de salvação. Depois de algum tempo falando, o homem interrompeu-me e disse: “Sabe, eu não acredito em nada disso. Não creio em Deus, na Bíblia, no céu e nem no inferno. Para mim, morreu acabou.” Confesso que fiquei surpreso, pois não havia sido avisado que Marciano era ateu. Depois soube que não gostava de crentes e não permitia reuniões em sua casa, mesmo sendo sua esposa uma cristã que orava há anos por sua conversão. Não demorou muito, o Espírito Santo fez-me recordar de algo que havia lido num livro, uma tática evangelística. Então, perguntei: Sr. Marciano, o senhor é homem de aceitar desafios? Ele respondeu positivamente. Então, propus que ele pensasse sobre a seguinte questão, perguntando: Sr. Marciano, se o Deus em quem creio não existe, se a Bíblia é fruto da mente humana, se o diabo é uma ficção, se não existem o céu e o inferno, o que eu tenho a perder? Ele respondeu prontamente: “Nada.” Pois bem, continuei: Se o Deus em que creio é verdadeiro, se a Bíblia é a Sua Palavra, se existe o diabo, o céu e o inferno, o que o senhor tem a perder. Ele respondeu, literalmente, assim: “Estou ferrado”. Eu disse: É sobre isso que quero que pense. Este é o desafio.

Não demorou muito para que o encontrasse, durante uma corrida de ônibus na cidade. O avistei quando já estava para descer, bati em seu ombro, e ele disse: “Precisa voltar lá em casa para gente conversar.” Como fiquei contente! Não muitos dias depois, durante uma reunião de evangelismo em minha casa, o irmão Luis Carlos chegou com um recado: “O Sr. Marciano está internado e pediu para falar com o pastor ‘magrinho’. Havia se esquecido de meu nome. Fui, então, visitá-lo. E, qual foi minha surpresa? Marciano queria fazer sua decisão por Cristo. Havia pensado na questão proposta. Deus falou ao seu coração e o Espírito Santo operou poderosamente. Ali, no hospital, o ajudei numa oração de entrega ao Salvador. Ele foi sincero e seu testemunho impactante. Dias depois, tive o privilégio de ser o primeiro a pregar num culto em sua casa. Marciano não ficou muito tempo entre nós. Acometido de um câncer, faleceu meses depois. Preguei em seu velório, quando pude testemunhar de sua fé. Hoje, Marciano não é mais deste mundo. Morreu para o mundo, morreu para sua incredulidade, morreu fisicamente, mas está vivo para Deus. Agora pertence ao Reino dos Céus!

CORPO PRESENTE, CORAÇÃO E MENTE DISTANTES


“Porque o Senhor disse: Pois que este povo se aproxima de mim, e com a sua boca, e com os seus lábios me honra, mas o seu coração se afasta para longe de mim e o seu temor para comigo consiste só em mandamentos de homens, em que foi instruído.” (Isaías 29:13)

Pr. Cleber Montes Moreira

Uma das coisas que mais me entristece é ver pessoas usando celulares durante o culto. Aquele momento que deveria consistir numa oferta agradável a Deus, acaba revelando uma religiosidade dissimulada e ofensiva àquele que é digno de ser adorado em espírito e em verdade. Gente que lê, que canta, que profere palavras e orações desconectadas de seu verdadeiro interesse enquanto troca mensagens de texto, conversa, joga, assiste vídeos etc. Está no recinto do culto, mas dele não participa. Em algum momento está tão distante que nem expectador é. O que oferece a Deus não é um tributo, mas algo que afronta. Seu comportamento é uma impostura!

Se você está entre aqueles que não desgrudam do celular ou do tablet na hora do culto, precisa repensar sua relação com Deus. Do contrário, seu comportamento será semelhante ao dos contemporâneos do profeta Isaías, sendo uma representação sem essência, sem temor, sem reverência e sem vida, que poderá ser chamado de qualquer coisa, menos de culto! Não adianta estar presente, se seu coração e mente estiverem distantes.

ANDAR COMO ELE ANDOU


“Aquele que diz que está nele, também deve andar como ele andou.” (1 João 2:6)

Pr. Cleber Montes Moreira

Certa ocasião recebi, por e-mail, um convite para participar de uma excursão pela Terra Santa. O apelo era: “Venha andar por onde Jesus andou”. Muitas pessoas têm verdadeira paixão por conhecer as terras e os caminhos trilhados por Jesus. De fato, deve ser emocionante conhecer lugares que fazem parte das narrativas bíblicas sobre o Senhor: o Rio Jordão, o Monte das Oliveiras, a estrada de Jericó, a vila de Betânia, o Jardim do Getsêmani, o que sobrou do templo de Jerusalém, o monte onde o Salvador foi crucificado, o lugar onde foi sepultado etc. Entretanto, não posso deixar de afirmar que mais importante que andar por onde Jesus andou é andar como Ele andou! Jesus não é como uma celebridade morta, cuja casa torna-se ponto turístico e objetos ficam expostos em museus para apreciação de seus admiradores. Jesus também não é como um líder religioso qualquer, cuja terra vira lugar de peregrinação e idolatria. Jesus é Deus, Senhor e Salvador, e espera que nos tornemos seus seguidores, andando como Ele andou, amando, exercendo a misericórdia, pregando o evangelho do reino, sendo Sal e Luz do mundo. Ele quer mais do que admiradores, quer verdadeiros discípulos.