sexta-feira, 8 de fevereiro de 2013

A CRUZ, NOSSA GLÓRIA!

Por  Isaltino Gomes Coelho Filho
 
Já declarei minha frustração com o fato de que a cruz foi posta de lado no louvor e na pregação atuais. No visual, alguns a trocaram pela estrela de Davi. Nos cânticos, foi substituída por expressões vazias, como “voar nas asas do Espírito”. Há um cântico que fala do rio que salva. É a salvação aquática, não pela cruz. Muitos púlpitos pregam o trono do cristão na terra (riquezas, saúde plena, vida sem problemas), não o chamado de Jesus para tomar a cruz: “Se alguém quer vir após mim, negue-se a si mesmo, tome cada dia a sua cruz e siga-me” (Lc 9.23).
A cruz é ofensiva ao pecador. Ela declara que nossos esforços nada valem para a salvação e que nossa virtude não nos justifica diante de Deus. A cruz diz o que somos sem meias palavras. Ela declara que somos pecadores e que precisamos do perdão que vem dela. Há hoje muito falatório com o nome do Espírito Santo, mas será que o Espírito leva a afastar-se da cruz e a perder o fascínio por ela? O Espírito apaga a cruz na vida da igreja? Sem a cruz a igreja não existe. Nossa redenção efetuou-se nela: “E eles cantavam um cântico novo: Tu és digno de receber o livro e de abrir os seus selos, pois foste morto, e com teu sangue compraste para Deus gente de toda tribo, língua, povo e nação” (Ap 5.9). Somos o povo formado pelo sangue vertido na cruz.
A cruz declara a falência dos homens, mas também o poder de Deus: “Pois a mensagem da cruz é loucura para os que estão perecendo, mas para nós, que estamos sendo salvos, é o poder de Deus” (1Co 1.18). Para um mundo em trevas, a cruz não faz sentido, mas foi ela que Deus escolheu e que o Filho aceitou. É nela que o Salvador oferece perdão aos pecadores. Pregação que não exalta a cruz, culto não faz a cruz brilhar e cânticos que não avultam a cruz em nosso coração, falharam.
No salão de cultos da PIB de Nova Odessa está o texto de 1Coríntios 1.23: Bet mes sludinam Kristu krusta sisto (Mas nós pregamos a Cristo crucificado). Isto deveria estar impregnado na vida de cada igreja. Os judeus queriam sinais. Há cristãos com alma judia. Querem sinais de todo jeito. Os gregos queriam sabedoria. Há cristãos com alma grega. Querem filosofar. Deus propõe a cruz. Não há outro plano. É a cruz. Ela simboliza a religião verdadeira: a linha vertical, na direção de Deus. A horizontal, na direção dos homens. Graças à cruz podemos nos relacionar bem com Deus e com os homens.
Não se apague a cruz da nossa mente e do nosso coração. Somos o povo da cruz. Ela é a nossa glória. “Quanto a mim, que eu jamais me glorie, a não ser na cruz de nosso Senhor Jesus Cristo…” (Gl 6.14).
De um fascinado pela cruz,
Pr. Isaltino Gomes Coelho Filho 
Fonte:  http://www.isaltino.com.br/2013/01/a-cruz-nossa-gloria/